terça-feira, 9 de agosto de 2011

O Guia do Mochileiro das Galáxias de Douglas Adams

Hoje comentarei a série recém lida: O Guia do Mochileiro das Galáxias de Douglas Adams 



A série narra às aventuras do terráqueo Arthur Dent e seu amigo Ford Prefect, um cara de Beteguelse, o fim da Terra como a conhecemos, uma nave de probabilidade infinita, um cara chamado Zaphod Bebleebrox e outra terráquea Trillian, ou Tricia McMillian e suas aventuras pelo Universo, Tempo e Espaço. E acontece muita coisa, como a destruição da Terra, probabilidades infinitas de acontecimentos de pura coincidência, viagens espaço – temporais, mil planetas, explicações engraçadas do guia do mochileiro das galáxias, explicações sobre a galáxias, guerras universais, show de rock....

Cabe um adendo aqui sobre Toalhas, sim toalhas, utensílio dos mais simples e mais necessários a todo Mochileiro das Galáxias, serve para quase tudo, desde simples tecido para enxugar o corpo depois do banho, até para luva (caso tenha do quebrar um vidro), cobertor, travesseiro, capa, turbante e muitíssimas outras funções e habilidades.
Eu tive a sensação de ter perdido algum ponto da história entre o meio do quarto livro e o final do quinto, sabe, quando parece que alguma explicação faltou, ou não se percebeu, mas pelas opiniões que eu li a respeito da série, acho que a falha foi minha mesmo. De resto deu para notar o humor sobre a política, as pessoas, suas manias, e o pensamento de algumas coisas que particularmente me fizeram pensar, como as coincidências e probabilidades da vida.

Gostei, mas não amei de paixão....
Como diria Celly Borges: "Se não entendeu todas as piadas é porque não é nerd o suficiente", e eu concordo com ela, não sou nerd o suficiente para entender todo o livro!!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

1 comentários:

al.maia disse... [Responder Comentário]

Confesso que não consegui ler todos, parei acho que pelo terceiro...
Pra pessoas como nós, que não têm taaaanta referência nerd na cachola, bem que a série devia vir com um guia, né? Uma ajudinha, pelo menos!