terça-feira, 14 de agosto de 2012

O Diário da Sibila Rubra de Kizzy Ysatis

Olá!

Hoje nem esperava ter um livro para falar, ando preguiçosa e admito que não tenho tido muita vontade de ler. Mas como havia prometido à mim que iria ler pelo menos os livros da meta 2012 do skoob, resolvi pegar esse.

O Diário da Sibila Rubra traz a história de Elaine, uma jovem sibila, da Ordem das Sibilas Rubras, uma ordem de bruxas, sua história contada em seu diário mostra os principais acontecimentos para que ela se tornasse quem era. Dividido entre seu passado anterior, na Ilha de Nossa Senhora do Desterro (Santa Catarina) e passado recente em São Paulo, a história vai desenrolando um novelo complexo para culminar na decisão de quem será a nova Sibila Mãe, senhora de toda a Ordem das Sibilas.


Ambienta entre 1900 e pouco e 1932, com personagens com seus sotaques e maneirismos bem definidos, a história traz bruxas, sibilas, vampiros e lobisomens, um livro muito bem escrito, principalmente a narrativa. Inovando em alguns pontos e exagerando em outros, esse foi um livro que eu realmente não sei dizer se eu gostei ou não.

Gostei mesmo da história das Sibilas e achei o mistério de Elaine realmente interessante, o autor é romântico, rebuscado e eu achei isso muito bom. Mas tenho algumas ressalvas, embora tenha gostado de tantas citações à autores clássicos, não gostei muito da participação do  Álvares de Azevedo (não, ele não cita apenas Álvares, mas o próprio escritor está na história), e fosse ele, fosse outro, o personagem teria a mesma importância e não seria talvez, tão cansativo de ler essas partes.

E agora uma crítica, que estendo não apenas à esse autor nacional, mas à alguns outros. Em O Diário da Sibila Rubra, eu achei o epílogo extremamente confuso, sem nexo e cá entre nós, péssimo para o final. A história que havia acabado de forma boa, interessante e satisfatória, dá lugar à um epílogo que pareceu jogado.
Autores nacionais, meu queridos, os leitores não tem obrigação de já conhecer sua obra, existem claro aqueles que já leram todos os seus contos publicados, seus sites, seus livros e são fãs, esses tudo bem. Mas nem todos são assim, então, se forem inserir elementos de suas outras obras, tentem levar em conta pelo menos que o leitor pode nunca ter lido absolutamente nada do que você escreveu e simplesmente está lá pela sinopse. Kizzy cita o Clube dos Imortais no epílogo e sinceramente fiz um esforço de achismo para compreender o que se passava. Não precisava incluir essa trama, ou pelo menos poderia ter sido de forma sutil ao longo da história. Essa é a única crítica que eu realmente deixo para o autor (os outros pontos eu posso não ter gostado, mas não estraga a história, infelizmente, para mim, o epílogo estragou um livro interessante).

Como disse, é um livro que não tenho uma opinião única. Fica a dica para quem curtir o tema.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

1 comentários:

Helaina_One disse... [Responder Comentário]

Ainda não conhecia nada do autor. Mas gostei da estória.
Concordo com o conselho que você deixou aos autores. Apesar de ser nosso sonho que os leitores saibam tanto das nossas estórias quanto nós, quando escrevemos temos que pensar que quem está lendo pode nunca ter lido algo nosso. Parece chocante... rsrsrs... mas é a verdade!

Que bom que você gostou da indicação!! Fico feliz!!

Beijusss;
http://hipercriativa.blogspot.com.br/